Lírios no deserto - poesia, 86 páginas


Eurídice Hespanhol

LANÇAMENTO DIA 20 DE SETEMBRO DE 2009, na XIV Bienal Internacional do Livro/RJ, das 17:15 às 18:50h, no estande da OFICINA, Pav. Verde, Rua "Q", no Riocentro, Barra da Tijuca/RJ. Em seguida recital do Movimento POETAS SEM FRONTEIRAS, coord. de Eurídice Hespanhol & Jorge Ventura.

Amores & satisfação

Assim se apresenta a poeta de Lírios no deserto – Eurídice Hespanhol: amores & satisfação. Percebe-se na feitura do livro o carinho que a poeta nos oferece a cada página. Sua metalinguagem nos indica que a autora conhece bem a multiplicidade das palavras e os seus significados plurais. O deserto da Eurídice é uma imensidão de amores plantados com a sabedoria da loucura imaginada e sentida. Não se limita em sua interpretação, dando um colorido todo singular às suas personagens: ora santas, ora profanas. Declara-se amante em todos os momentos: brincando, fazendo humor e em uma intensidade de canção sem fim. Abusada em metáforas escrachadas que dizem o não-dito tão bem-dito. Bendita poesia, bendito amor dessa Hespanhol! Ela nos oferece até uma receita em ponto de bala. É só testar... (mas cuidado! Tenha mais cuidado). Navegando com desenvoltura por signos mitológicos, desconstrói histórias e as reestrutura de forma original, invertendo funções ou reafirmando as versões primeiras com pitadas apimentadas. Esta POETA SEM FRONTEIRA pertence ao mundo, distribui seus lírios, poemas, em semeadura fértil e “ainda vai sobrar pro café de todas as manhãs”.

Sérgio Gerônimo
Pres. da APPERJ

 

Satisfação
Eurídice Hespanhol

Eu almoço sonetos,
de sobremesa uma trova.
Bebo tercetos,
lancho haikais.
Derramo na xícara,
rimas de sonhos...
Sinto no rosto
a brisa leve de um
dodecassílabo inusitado...
Aborto todas as métricas,
dissimulo réplicas...
E à noite,
embriago-me,
com todos os goles
de versos livres,
da forma mais sã.

Porque poesia
tem que ter todo dia
e ainda sobrar pro café da manhã

Mais informações pelo e-mail: oficinaeditores@oficinaeditores.com.br