EROS REMEMORADO - poesia - 94 páginas

Sonia Ayres

Sonia Maria Coquillard Ayres nasceu no Rio de Janeiro no bairro da Tijuca. Trabalhou na rede de ensino municipal, estadual e foi professora do Colégio Pedro II. Graduou-se em Letras pela UFRJ e concluiu, pela UFF, o Mestrado, tendo defendido a dissertação “A Língua Obscena da Senhora Hilst” sobre a obra e, sobretudo, sobre a poesia da renomada escritora Hilda Hilst, trabalho publicado pela NEA (Novas Edições Acadêmicas). Apaixonada pela vida, pela arte, herdou do pai ‒ também poeta ‒ o gosto pela poesia.

 

Sigiloso mundo de Eros

Que o leitor não se surpreenda, mas quando li os poemas de Sonia Ayres, ouvi uma sinfonia de versos, sinuosamente, deslizarem sobre as minhas retinas. Uma magnífica sensação sinestésica mergulhava em um sigiloso mundo: Eros Rememorado. Sei que a poesia tem um poder transformador. Desvenda e redimensiona a vida e a torna mais leve. Demanda coragem. Como é corajosa essa poeta! Sonia, dotada de grande sensibilidade, usou a pena e não deixou a tinta borrar, ou mesmo, transformou o borrão em algo afetuoso aos olhos da vida. A autora enfrenta de corpo aberto as entranhas daquilo que está vivo e de que muitas vezes não percebemos a existência. Este livro é um exercício constante do olhar. E, para apenas resumir, creio que seja o brado do divino. O princípio de encantamento. Uma vertigem. Uma aventura amorosa. Um orgasmo. O processo de elaboração poética da autora representa o retrato de uma mulher que batalha pelo seu lugar, não esvazia o seu tempo e não confere a pena à escrita pelo simples desejo de registrar o que se deseja dizer e sim pela força transformadora que está impregnada em sua alma. É uma escritora de versos cuja poesia se curva para o sonho realizável. O leitor mergulhará em um mar de sensualidade. Em particular, viverá o mais profundo desejo, o
dialogo de corações arrítmicos pulsando: no“Ontem”, da autora, e no “Simultaneamente ontem”, em que o homem amado com ela dialoga.“Eros Rememorado” é um livro de poesia que constrói uma relação sincera, repleta de expressões de afeto e experiências amorosas. Seus versos reescrevem o próprio sentido de vida nas flechas desorientadas do desejo e na mira do amor, elevando o lirismo ao universal.

Mozart Carvalho
Poeta, membro do PEN Clube

A raiz do poema
Sonia Ayres


A raiz do poema
é a raiva surda,
o grito soterrado
na grota, na glote,
na grita suicida da vida corrida.
A raiz do poema
é o medo medrado
nas malhas transidas do não-cumprido.
é a saga da rima
assassina.
A raiz do poema
é a soma das traças
nos traços destroços
de amores falidos.
É o cansaço.
Mas a raiz do poema é também
a fome, o faro, o farol
a fera, o fogo
e tudo o que é fonte...
a vida traçada
para além da morte.

 

Mais informações: oficinaeditores@oficinaeditores.com.br