LANÇAMENTOS DO LIVRO DE POESIA BELABUN

do POETA SÉRGIO GERÔNIMO

Dia 18 de novembro de 2010, às 22h, no TV BAR - FESTA T.U.D.O., Av. Nª Sª de Copacabana, Shopping Cassino Atlântico, Copacabana, Rio de Janeiro/RJ, com performance dos Novos Uivos (Barbara-Ella & Carlitos).

Valeu Lúcia Nobre, Barbara-Ella, Carlitos e Mozart Carvalho

 

Dia 07 de dezembro de 2006, a partir das 18h, no Restaurante Beluga, Av. das Américas, Barra World Shopping, Recreio dos Bandeirantes, no Sarau Poetas Sem Fronteiras, Rio de Janeiro/RJ.

Dia 29 de novembro de 2006, a partir das 16h, no CEDIM, Rua Camerino, 51, Centro, no Sarau Todas Elas & Alguns Deles, Rio de Janeiro/RJ.

Dia 25 de novembro de 2006, a partir das 22h, no Up Turn Bar, Av. das Américas, 2000, Centro Comercial Freeway, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro/RJ.

Dia 06 de novembro de 2006, a partir das 19:30h, no Bar do Ernesto, Largo da Lapa, 41, Lapa, Rio de Janeiro/RJ, com Introdução de Lúcia Nobre (autora do livro de poesia O Bom Trepador) e performence do Grupo Teatral da Cia Catarse.

Fotos do lançamento na Lapa


Cia Catarse em performance

Lúcia Nobre - a introdutora


Antonio Cícero prestigiando "a preferência nacional"

Khaled e eu corujão

Flávio Dórea - produção visual e 4ª capa

Cia Catarse em show

 

Você pode adquirir o livro BELABUN (15 reais), no Bar Estilo da Lapa, Av. Mem de Sá, 127, Rio/RJ, ou pedir pelo e-mail oficinaeditores@oficinaeditores.com.br

"Ainda que navegasse por anos em ‘anos’ e me submergisse nas mais circulares fendas, não conseguiria velejar tal qual Sérgio Gerônimo faz. Introduziu-se e fixou mastro na paixão nacional, encontrando entre tantas belas uma ‘bun’, seu porto-prazer, onde surubeia e excita o leitor em cada esquindô do seu puro desejo. Não deixando por menos “pisca letrinhas” – entre (n)as páginas."
Flávio Dórea – poeta (autor do livro Carecas Também Pensam), estilista

 

BELABUN
encontrei belabun em uma segunda-feira
olhos de corisco
sentinela armada de artifícios
em um banco de versos
adereços entre sons e aromas
descreve círculos de hieróglifos

dô? nundô?
dô? nundô?

faíscas metafóricas
de uma redondilha maior
trovadores cruzando-se
em um shopping de olhares
descreve círculos de hieróglifos

dô? nundô?
dô? nundô?

um poema descontroladamente
livre
sem pudor
sem regras
sem meias sentenças
branco
e descreve círculos de hieróglifos

dô! nundô!
dô! nundô!

belabun puro desejo
belabun pura poesia

belabun?
desejo em poesia
e descreve círculos de hieróglifos

dô... nundô...
dô... nundô...

dô... nundô...
dô... nundô...


e pisca letrinhas entre estrofes

 

belabun na internet

fez enquete entre os internautas
colocou-se em exposição
em posição duvidosa
impondo & fazendo “caras & bocas”
a disputa disseram as...
puras e inocentes
foi acirrada
e o resultado
foi
pau-a-pau

 

belabun na areia

quando chegou à orla
observou que teria problemas
tantas eram as tontas
porém desvendou uma a uma
celulitebun
sembun
enganabun
magrabun
gordabun
cruzcredobun
mas belabun?
só ela
suspirou
e foi areia pra todo lado

contato: sergiogeronimo@oficinaeditores.com.br